sábado, maio 24, 2003

The End

desenho de Duncan Barnes


[canbar]

quinta-feira, maio 22, 2003

Fome Zero:

Uma vez, em uma de suas viagens, Mula Nasrudin passou por uma aldeia e espantou-se ao ver que todas as pessoas estavam comendo, bebendo e dançando alegremente.

- Que lugar abençoado! – exclamou. – Onde vivo, as pessoas estão preste a morrer de fome.
- Aqui acontece o mesmo – disse alguém – mas hoje é um dia especial de festa. Cada pessoa da aldeia economizou e preparou a comida para este dia. Essa é a razão pela qual há tanto alimento, bebida e alegria.

Nasrudin meditou um pouco e em seguida suspirou:

- Se todos os dias pudessem ser de festa, então todos seriam felizes e ninguém passaria fome!!!

sábado, maio 17, 2003

desenho de M.C.Escher"Estamos continuamente atuando uns sobre os outros, exigindo uns dos outros esses ou aqueles comportamentos em função de petições cognitivas. De modo que esta ação do conhecer, de como conhecemos, como se validam nossas coordenações cognitivas, não é de modo algum trivial. Ela pertence a vida cotidiana. Estamos imersos nisso momento a momento. Por isso somos nós, observadores, o ponto central da reflexão e o ponto de partida da reflexão. O ser humano, é observador na experiência, ou no suceder do viver na linguagem. A explicação se dá na linguagem. Existimos na linguagem. Experiências que não estão na linguagem, não são.
(ex-traído de "Cognição, ciência e vida cotidiana" - H. Maturana 2001)um gentilmente - ator - doado pela Globo[Tonfa]



Só sei que nada sei - Sócrates[doPa]"A escuridão envolve-nos a todos, mas, enquanto o sábio tropeça numa parede, o ignorante permanece tranquilo no meio da sala."
Anatole France

segunda-feira, maio 12, 2003

ComputaBlues VI




Desenhado por Duncan Barnes








[canbar]

quinta-feira, maio 08, 2003

ComputaBlues V




Desenhado por Duncan Barnes








[canbar]
Nós cientistas, gostamos de explicar a praxis de viver, e a paixão pela explicação é a emoção fundamental que sustenta tudo que fazemos enquanto tais. Além disso, o que é peculiar aos cientistas modernos em geral, e específicamente aos cientistas naturais modernos quando eles fazem ciência, é sua sua maneira particular de escutar o que eles consideram reformulações aceitáveis da praxis do viver, e seu sério empenho em permanecer sempre consistentes com suas afirmações sobre o que acontece em seus domínios de experiência. Como resultado disso, a ciência moderna é um domínio peculiar de excplicações e afirmações derivadas sobre a praxis do viver do observador, definido e constituído na aplicação, pelo observador, do critério particular de validação de explicações que o define. Eu chamo esse critério de validação de explicações, de critério de validação de explicações científicas.

quarta-feira, maio 07, 2003

Desenhado por Duncan Barnes

a ingleish que fala seu leingua[Canbar]

Repórter Aéreo:

Narrenschiff (de Sebastian Brant, escrito em 1494)

O quê? Hein? É que eu acho que pensei em tecer comentários, mas aéreo que sou, perdi o fio do raciocínio, o fio da meada e o fio da história com os quais teceria os comentários. Não sei também por que diabos desapareceram os comentários desse blog. De qualquer modo, são vicissitudes desses tempos mais que pós-modernos : pós-industriais, onde a idéia do Estado Mínimo aumenta inda mais o Estado Máximo de Calamidade, com seu três vezes poderoso alheamento - salvo raras exceções. Alheamento Jurídico, Executivo e Judiciário. Saudades do tempo em que "passear à beiramar" era só andar no calçadão com tênis e sem colete à prova de balas ou palmilhar descalço areias úmidas, mas não de óleo. Agora é estilo marca registrada de arqui-traficante cumprir pena: "viajando", com serviço de primeira e ampla cobertura da imprensa.

Nau dos Insensatos

Lembrei da citação de Foulcault em sua "História da Loucura" à Nau dos Insensatos Stultifera Navis, onde os loucos, confinados nos porões dos navios, transitavam errantes para sempre sem aportar em lugar algum. Sempre o negado, o coringa, a carta "fora do baralho" para sempre "prisioneiro das passagens". A ordem desse mundo está fora do ar! E depois dizem que eu é que sou aéreo!
dos ignorantes, o maior[Dopa]

segunda-feira, maio 05, 2003

ComputaBlues III

Desenhado por Duncan Barnes

[canbar]



Sentidos ao quase inexplicável

"Por séculos e séculos, o homem apaixonou-se pelos enigmas que cercavam as quantidades, as escalas, as formas e os movimentos. Na Bíblia, são encontradas, em abundância, referências a essas inquietações. "Pois há três coisas que me são mistério, quatro mesmo, que não compreendo: o vôo da águia nos céus, o rastejar da cobra na pedra, a navegação de um navio em [dopa]pleno mar, o caminho de um jovem junto a uma jovem", são máximas numéricas encontradas no capítulo 30 do Livro dos Provérbios.

>>> Ler na íntegra

domingo, maio 04, 2003

Ana Crônica:

Há quanto tempo, né? Mas é que estava meio destemperada...
Vi o Assunto Polêmico abaixo, não o da impressora com o PC, o outro e me ocorreu outro assunto polêmico:

Onde estão as horas? No relógio ou no observador?
Onde está o sabor das coisas? Nas coisas ou na boca?...


Quem sabe ainda leve um tempo para entendermos isso...um gentilmente - ator - doado pela Globo[Tonfa]

sexta-feira, maio 02, 2003

II

Desenhado por Duncan Barnes
[canbar]




Polêmicas de milênios

Desde a antiguidade clássica, os problemas relativos ao determinismo e ao acaso geram acirradas polêmicas na ciência e na filosofia.
Tales de Mileto previu, no ano 585 a.C, a ocorrência de um eclipse. O fato serviu para fortalecer as teorias deterministas já largamente aceitas. De acordo com Leucipo, nenhuma das coisas do mundo se engendra ao acaso, mas sempre a partir da razão e da necessidade. Uma histórica disputa na época helenística opôs os estóicos, crentes em um rígido determinismo, e os epicuristas.
Entretanto, a idéia de uma "declinação" no movimento atômico reavivou as teorias sobre o imprevisível. Lucrécio indaga sobre a origem da liberdade que permite aos seres vivos agirem de acordo com a vontade. Cícero, ao contrário, afirma que uma inteligência superior poderia conhecer o encadeamento de todos os acontecimentos e, assim, solucionar todos os mistérios do universo.
[transcrito da Rede por dopa]
Leia na íntegra